Educação de Infancia

Dezembro, 2008


São estas as cores que faltavam nas nossas salas e aqui estão!

Vamos decorar as nossas salinhas, e ensinar aos nossos pequeninos as cores de uma maneira diferente.

Vamos procurar na nossa salinha, o que temos com estas cores!

Objectivos em Creche

Dez 16, 2008 Autora: Raquel Martins | Colocado em: Berçario, Creche

A creche organiza actividades adequadas ao bom desenvolvimento da criança nesta faixa etária, das quais apresentamos alguns exemplos e as respectivas finalidades:

  • Canções – Memorização, linguagem, ritmo, gosto pela música, disciplina;
  • Lenga-lengas – Exploração dos sons e ritmos, expressão através da linguagem oral, gestual e corporal
  • Pintura com dedo, mãos e pés – Exploração de diferentes materiais, cores, formas e texturas, controlo da motricidade, gosto estético
  • Jogos – Compreensão de regras, socialização
  • Modelagem – Controlo da motricidade, capacidade de exploração
  • Rasgagem e colagem – Motricidade, autonomia, iniciativa
  • Histórias – Descoberta de si e do outro, linguagem verbal e não verbal, imaginação
  • Fantoches – Concentração, visualização
  • Brincadeira livre e orientada – Socialização autonomia, liberdade de escolha

FINALIDADES GERAIS

A. Encorajar a criança, gradualmente, a desenvolver a sua capacidade para “estar” com os adultos, com as outras crianças, com objectos.
B. Ajudá-las a dominar, desembaraçar-se e aprender.
C. Ensiná-la que existem várias maneiras de olhar o mundo e que deve aceitar e respeitar as maneiras de ser dos outros.

A Educação de Infância é feita de cores, de sonhos, de magia, de alma, de acreditar, de sorrisos, de brilho, de vida! Nós temos a melhor profissão do mundo, nós podemos mudar o mundo, nós temos nas mãos o futuro do mundo!

Que outra profissão é tão maravilhosa como a nossa?! Temos tesouros que mais ninguém tem. Somos grandes!

Nunca desistam de ser bons profissionais, de quererem ser melhores, as nossas crianças mereçem!

Só a brincar

Dez 14, 2008 Autora: Raquel Martins | Colocado em: Berçario, Creche, Pais

Quando me virem a montar blocos

A construir casas, prédios, cidades

Não digam que estou só a brincar

Porque a brincar, estou a aprender

A aprender sobre o equilíbrio e as formas

Um dia, posso vir a ser engenheiro ou arquitecto.

 

Quando me virem a fantasiar

A fazer comidinha, a cuidar das bonecas

Não pensem que estou só a brincar

Porque a brincar, estou a aprender

A aprender a cuidar de mim e dos outros

Um dia, posso vir a ser mãe ou pai.

 

 

Quando me virem coberto de tinta

Ou a pintar, ou a esculpir e a moldar barro

Não digam que estou só a brincar

Porque a brincar, estou a aprender

A aprender a expressar-me e a criar

Um dia, posso vir a ser artista ou inventor.

 

Quando me virem sentado

A ler para uma plateia imaginária

Não riam e achem que estou só a brincar

Porque a brincar, estou a aprender

A aprender a comunicar e a interpretar

Um dia, posso vir a ser professor ou actor. 

 

Quando me virem à procura de insectos no mato

Ou a encher os meus bolsos com bugigangas

Não achem que estou só a brincar

Porque a brincar, estou a aprender

A aprender a prestar atenção e a explorar

Um dia, posso vir a ser cientista.

 

Quando me virem mergulhado num puzzle

Ou nalgum jogo da escola

Não pensem que perco tempo a brincar

Porque a brincar, estou a aprender

A aprender a resolver problemas e a concentrar-me

Um dia posso vir a ser empresário.

 

Quando me virem a cozinhar e a provar comida

Não achem, porque estou a gostar, que estou só a brincar

Porque a brincar, estou a aprender

A aprender a seguir as instruções e a descobrir as diferenças

Um dia, posso vir a ser Chefe.

 

Quando me virem a pular, a saltar a correr e a movimentar-me

Não digam que estou só a brincar

Porque a brincar, estou a aprender

A aprender como funciona o meu corpo

Um dia posso vir a ser médico, enfermeiro ou atleta.

 

Quando me perguntarem o que fiz hoje na escola

E eu disser que brinquei

Não me entendam mal

Porque a brincar, estou a aprender

A aprender a trabalhar com prazer e eficiência

Estou a preparar-me para o futuro

                 Hoje, sou criança e o meu trabalho é brincar.       

            

 (Poema de origem desconhecida)

 

 

 

Podem imprimir numa folhinha de cor e dar aos pais, eles vão adorar! Eu dei na minha Reunião de Pais, com a devida ilustração feita pelos filhos e os pais gostaram muito.

Actividades em Creche

Dez 13, 2008 Autora: Raquel Martins | Colocado em: Berçario, Creche, Fantoches

Os bebés e as crianças pequenas estão sempre dependentes do contacto humano, de se lhes falar, da atenção que lhes dá e da ternura com que recebem.
Os amplos processos de aprendizagens que se realizam nesta fase da vida, só podem ser accionados no calor seguro de uma relação harmoniosa entre pais, educadoras e crianças.

Por isso é muito importante:

  • Habituação ao contacto e necessidades de contacto através da proximidade corporal, carícias sempre repetidas de olhar para ela, conversar com ela, bem como a sua integração no mundo das coisas.
  • Educação da audição e da atenção através de sons barulhentos (vozes, campainhas, pandeiretas, etc.) que mais tarde virão em direcções diferentes, com alturas e sequências de sons diferentes. Estimulação da própria produção de ruídos (bater palmas, sons de roca, etc.)
  • Educação da visão e da atenção através de estímulos luminosos e em movimento, através de objectos com formas simples e cores nítidas (bolas, rocas, etc.), para isso é conveniente limitarmo-nos a poucos objectos que mostraremos muitas vezes. Mais tarde poderemos acrescentar outros objectos mais pequenos, bem como imagens simples.
  • Exercícios de movimentos bucais, sucção, lombar, mastigar (mais tarde, quando se dão alimentos sólidos) e igualmente fazer brincadeiras com sopro.
  • Ensinar a apalpar, mexendo em vários objectos com a mão (ao principio será conduzida).
  • Exercícios para a movimentação das mãos, com estimulação para agarrar, dar a mão, bater palmas, dizer adeus, bater à porta, atirar uma bola, fazer construções, chapinhar, atirar com coisas, fazer brincadeiras simples com os dedos, etc.
  • Educação para a movimentação do corpo, levando os movimentos espontâneos a adaptarem-se a um dado ritmo com uma pandeireta cantando; rastejar, rebolar-se, endireitar-se, pôr-se em pé, andar de mão dada. A articulação da criança através dos exercícios de “ginástica” rítmica tem uma importância muito especial.
  • Preparar a capacidade de comunicação da criança chamando-a pelo seu nome próprio, dizendo-lhe palavras ternas, dizendo o nome das pessoas e coisas e falando-lhe incansavelmente durante todas as actividades.
  • Estímulo para fazer ritmos: em conjunto e para cantar sons e melodias. “Ensinar” a criança progressivamente a empregar palavras determinadas para exprimir os seus desejos, ao pedir determinado objecto, repetindo incansavelmente as palavras e tendo as reacções apropriadas.
  • Habituar a criança a pouco e pouco a beber pelo seu copo e a comer com a colher.
  • Habituar a criança a ter um determinado ritmo de vida.
  • Fazer surgir e aprofundar estímulos emocionais, como alegria, confiança, bem-estar, etc. dando à criança possibilidade de fazer experiências, exteriorizando sentimentos, deixando-a participar e aprovando os seus esforços.
  • Tudo o que se faça terá sempre que ser adaptado à maneira de ser da criança.
  • Mostrar à criança como se faz, fazê-la colaborar e estimular a sua participação e iniciativa.
  • Todas as capacidades adquiridas devem ser incansavelmente exercitadas e repetidas. Tudo o que queremos “ensinar” de novo deverá ser incorporado somente através de pequenos passos.
  • Todas as “ordens” que se dão, bem como os estímulos de aprendizagem deverão ser simples, calmos mas enérgicos.
  • É muito importante que a criança conheça e brinque com objectos que há em todas as casas (tigelas, colheres de pau, molas de roupa, botões, papéis, etc.).
  • Além disto são necessários materiais como bolas, argolas para morder, bonecos de pano laváveis, cestinhos, bolsas, livros de imagens e mais da vida de todos os dias.

O ciúme entre irmãos

Dez 12, 2008 Autora: Raquel Martins | Colocado em: Pais, Psicologia Infantil

O nascimento de um bebé causa um forte impacto no irmão primogénito, que tem de aprender a partilhar a atenção dos pais, da qual, até então, usufruía com exclusividade. É importante que os pais identifiquem precocemente o problema e actuem de forma a dar à criança a segurança afectiva que ela precisa. A integração da criança nos preparativos e nas rotinas do recém-nascido é um meio mais eficaz de reprimir o ciúme, já que ela se sente importante e necessária nessas tarefas.

Já em 1920, Freud sublinhava que “não há provavelmente nenhuma casa sem conflitos violentos entre os seus habitantes mais pequenos, seja pela rivalidade, pelo amor dos pais, competição por objectos comuns, ou mesmo pelo espaço físico do lugar que ocupam”.

Entre os 2 e os 6 anos, as relações com os irmãos constituem, mais do que em qualquer outra idade, a parte mais importante do meio social da criança. É nestas idades que geralmente nasce um irmão, um momento muito importante na vida de uma criança e que altera todo o seu pequeno universo. O ciúme é uma reacção normal ao afastamento provocado pela chegada inexplicável de um “intruso”, pois este passará a compartilhar com a criança o amor e a atenção dos pais

A reacção da criança vai depender da sua idade aquando o nascimento do irmão;
• 18-24 meses – a criança tem muita dificuldade em compreender e aceitar a chegada de um irmão, pois está a viver uma fase em que descobre o medo da separação da mãe e, mais tarde, a crise de oposição e do negativismo sistemático

• 3 anos – a adaptação também pode ser difícil pois pode coincidir com a entrada no jardim-de-infância e as reacções negativas à presença do irmão podem ser confundidas com a má adaptação escolar.

• 4-5 anos – a adaptação à chegada de um irmão é mais fácil pois a criança compreende o que se está a passar à sua volta e já é capaz de tomar conta de si

• > 6 anos – a chegada de um irmão habitualmente é encarada de forma positiva, assumindo mesmo o papel de irmão mais velho

O modo como a criança manifesta e exterioriza o ciúme é muito variável, dependendo da idade da criança e das reacções dos pais. O comportamento regressivo é a forma mais comum e caracteriza-se pela retoma de comportamentos que já tinham sido abandonados, como a regressão na linguagem, voltar a querer o biberão/chupeta, enurese nocturna, entre outras. No entanto, a exigência constante de atenção, ou pelo contrário, mau comportamento sistemático para chamar a si as atenções, pode ser um modo de manifestação

A criança pode até ter atitudes de hostilidade dirigidas ao irmão ou à mãe. Uma outra forma de reagir é a atenção e preocupação constantes com o irmão, rodeando a mãe e o bebé de cuidados excessivos, com o desejo de agradar e recuperar o “amor perdido” da mãe. É nesta altura que a criança se questiona constantemente sobre: “Se os meus pais me amam, porque querem outro filho?”, “Vou continuar a ser admirado?”, “Será que vão continuar a gostar de mim?”.

O ciúme revela-se do irmão mais velho pelo mais novo, pois é o irmão mais velho o único que conheceu uma realidade em que o irmão não estava presente e tem a perder com a sua chegada. O mais novo sempre viveu na presença do mais velho e geralmente tem sentimentos positivos tendo-o como objecto de imitação e mentalmente identificando-se com ele.

Tal não se passa com gémeos, pois como nasceram ao mesmo tempo, não conhecem a vida um sem o outro. Habitualmente têm o mesmo desenvolvimento, não apresentando diferenças significativas ao nível da força física, mental ou experiência adquirida. Nesta situação em particular, em regra, o ciúme não existe pois os pais geralmente adoptam um comportamento semelhante para os dois.

A atitude dos pais é determinante, pois o modo como tratam cada filho poderá estar na origem das relações conflituosas – a base de toda esta rivalidade/hostilidade assenta no desejo de a criança ter o amor dos pais
À medida que o tempo vai passando e o irmão mais novo cresce, o mais velho assume o papel de “irmão mais velho”. É nesta altura que a atitude dos pais é fundamental, pois, se demonstrarem compreensão e atitudes positivas, a criança supera o ciúme inicial, caso contrário, pode gerar-se um ciclo vicioso e “traumatizante” para a criança

Para se estabelecerem relações adequadas entre irmãos e para prevenir o ciúme entre eles, há algumas recomendações a ter em conta:

1) A criança deve contar com mais do que um adulto para lhe proporcionar a segurança e atenção desejáveis (mãe e pai), de forma a tornar-se mais fácil superar o ciúme e não se sentir abandonada com a chegada do irmão

2) Deve evitar-se que o nascimento de um irmão coincida com outras mudanças importantes na vida da criança (por exemplo, a entrada no infantário). Após o nascimento do bebé, não se deve reduzir a quantidade, nem a qualidade da atenção, que a mãe e o pai dispensam à criança mais velha, tentando manter a rotina anterior ao nascimento do irmão

3) Ajudar o irmão mais velho a assumir o novo papel, ressalvando a sua importância, e prevenindo o ciúme que aparece com frequência quando a mãe ou o pai estão absorvidos no cuidado do bebé. Convém estimular a sua participação nesses cuidados, de forma que o filho se sinta importante e prestável.

4) Evitar comparações, bem como a distribuição de papéis entre irmãos. Os pais devem colocar em evidência os progressos de cada criança e as suas qualidades em diferentes áreas, sobretudo nas actividades que constituem as suas especializações, e sempre tomando a própria criança como referência. Pretende-se com isto valorizar o seu progresso em determinada situação, aumentando a sua auto-estima

O amor de uma criança pelos seus pais é extremamente intenso e incondicional, portanto, há o desejo da exclusividade. O sentimento de ciúme deve ser encarado de forma natural. É próprio do ser humano… Se os pais fizerem um esforço contínuo para ajudar os seus filhos nas suas angústias, as crianças terão oportunidade de aprender, a cada dia, a adaptar-se às novidades e a abrir mão do egocentrismo próprio da primeira infância

É muito importante que os pais estejam em sintonia com os sentimentos das crianças e as ajudar a manifestar-se.

Sandra Costa, com a colaboração de Iris Maia, Pediatra do Hospital de São Marcos de Braga

Actividades com Pedrinhas

Dez 11, 2008 Autora: Raquel Martins | Colocado em: Expressão plástica

Com pedrinhas pintadas, fazem-se trabalhos muito interessantes.

Eu aposto sempre que possível na recolha de pedras e de folhas, para fazermos alguns dos nossos trabalhos. Eles adoram apanhar pedrinhas e ficam trabalhos muito lindos.

Aqui estão alguns exemplos disso…


Archives


Links


Meta

Advertising


Comentários Recentes