<“A GUERRA DOS SINAIS”

Narrador:

Em dia de tempestade e de grande vendaval! o vento soprou, soprou...e os sinais de trânsito arrancou
aqui um sinal, além outro sinal
e com a fúria do seu soprar
os sinais de trânsito acabou por juntar.
então uma coisa mais triste aconteceu:
em lugar da desgraça os unir
os sinais de trânsito entraram a discutir
e cada um gritava – o rei aqui sou “eu”
e este espaço é para mim, e é só meu.

Sinal triangular: Olhem bem para mim:
tenho um chapéu de três bicos
como o dum general.
Como eu não há igual
o rei aqui sou eu
e este espaço é só meu.
Eu, o sinal triangular
É que sei avisar
sou o sinal de perigo
eu é que sou o verdadeiro amigo
do carro e do peão
digo e aviso antes de acontecer...
como é que um carro há de saber
que uma curva vai aparecer
ou uma lomba ou um cruzamento,
ou passagem de nível, ou entroncamento
se não for eu a dizer?
Perigo – grito eu
com o meu chapéu de três bicos
como o de um general
como eu não há igual
eu é que sou o rei
e este espaço é só meu.

Narrador:  Então o sinal circular
todo de azul, cor do céu, cor do mar
entrou também a falar e a ralhar:

Sinal circular inteiramente azul:
-    Olha, olha o toleirão do sinal triangular
falando do seu chapéu de três bicos...
Que é isso comparado com o meu fato cor do mar?
Eu é que sou amigo do carro e do peão.
Eu sou o sinal de obrigação
eu obrigo e digo:
é por aqui que vais passar
por onde a seta te indicar
e se for ciclista, é por esta pista.
Eu é que sou o rei da sinalização
sou o sinal de obrigação
circular, todo azul, cor do céu cor do mar.
Estou aqui para obrigar
e digo – o rei sou eu
e este espaço é só meu.

-Narrador!  Respondeu o sinal circular
com a coroa a avermelhar:

Sinal circular com coroa vermelha:
Ah, não e não, meus amigos,
o rei aqui sou eu que proíbo
e digo – não e não:
Não podes estacionar!
Não podes ultrapassar!
Não podes virar!
Não podes transitar nos dois sentidos!
Ou apenas este sentido é proibido!
Eu é que sou amigo
do carro e do peão.
sou o rei da sinalização
pois sou o sinal de proibição.
E tanto é verdade que sou rei
Que uma coroa a avermelhar
minha cabeça vai coroar.

Sinal quadrangular:
-    Deixem-me falar!
O sinal triangular diz que tem
um chapéu de três bicos
como o de um general...
Eu tenho dois chapéus de três bicos
pegados e unidos pela diagonal.
Sou general a dobrar.
O sinal de obrigação
anda por aí todo toleirão
a gabar o seu fato azul, cor do céu, cor do mar...
Ora azul, cor do céu, cor do mar
é também o meu trajar...
Não sou circular, sou quadrangular,
sou o sinal de informação.
Eu é que sou o rei da sinalização.
Sou o rei a informar
onde se pode telefonar,
ou comer, ou dormir,
onde há hospital ou gasolina,
onde fica a oficina
que o carro vai concertar.
Eu, o sinal quadrangular,
vestido de azul, cor do céu, cor do mar,
com quatro lados e quatro bicos,
aqui, onde me vêem, tenho muitos amigos
porque sei informar.
E nem preciso de coroa a avermelhar
para ser rei e reinar
como diz o sinal de proibição
que é uma abóbora tola e oca
que só sabe dizer não e não.
O rei da sinalização sou eu
que sei informar
eu o sinal quadrangular
e este espaço é só meu.

Narrador:  Um sinaleiro que por ali passou
o frio nos ossos, o vento nos ouvidos
parou a saber a causa do chinfrim
alguém estaria mal
a precisar de ajuda, ou de hospital?
Ouviu, ouviu, a tola discussão
e disse por fim:

Sinaleiro:    Basta de confusão.
Não sei para quê tanta teima
e toleima, se um sinal nada vale
se aquele que passar
não o souber decifrar.
Vamos lá ter juízo...
cada um no seu lugar
A cumprir a sua missão.
Todos são precisos.
Como preciso é saber entender
o que um sinal quer dizer.
Um sozinho nada vale
seja homem, ou sinal
e cada um, ao outro é igual...

Narrador:  Envergonhados os sinais sentiram
a razão daquele homem de grande coração.
E nunca, nunca mais,
falaram de reis ou de reinados
e cada um foi cumprir a sua missão.

Prevenção Rodoviária Portuguesa