Era uma vez uma escola que tinha uma rua.
Margarida estudava nessa escola que tinha essa rua, onde havia muitos carros que quando passavam apitavam fazendo muito barulho e fazia doer os ouvidos dos meninos.
Vou contar-vos um sonho que a Margarida teve.
A histria comea assim:
Margarida ia para a escola, quando encontrou um sinal:
– Ol! disse o sinal
Mas Margarida continuou em frente sem ouvir tal cumprimento e o sinal repetiu:
– Eh! Menina… Bom dia!
Margarida olhou para trs e ficou muito admirada e disse:
– Ah!… tantas vezes que aqui passo e nunca te tinha visto.
Mostrando-se zangado o sinal disse-lhe:
– Pois ! Nunca ningum repara em mim, mas fica sabendo que todos me deviam dar muita ateno, porque eu sou muito importante. J leste o que eu tenho escrito?…
– Reduza a velocidade: escola
Ah!…ento s tu que avisas os carros para andarem mais devagarinho. E eles no te ligam?
No! E por isso que resolvi mostrar-me: chamando devagarinho, gritando, saltando… para dar nas vistas!
Olhando para o relgio, Margarida v que est atrasada:
- Gostei muito de falar contigo, adeus. Vou contar aos meus amigos a tua importncia.
Mais frente Margarida encontrou outro sinal, desta vez uma passadeira e disse-lhe:
- Ol! Vou passar! Importas-te?
O sinal respondeu:
- Claro que no! para isso que eu sirvo. Todos passam por cima de mim, mas alguns esquecem-se…
A Margarida perguntou:
- E os carros no te incomodam?
S quando passam com muita velocidade, que quase sempre.
Margarida quase sem ouvir a resposta lanou-se para cima da passadeira, mas veio um carro e atropelou-a.
- Magoei-te muito? Perguntou o condutor do carro.
- No, mas poderias ter-me magoado muito, disse a Margarida levantando-se.
Eis que aparecem seis bandas sonoras que vm a correr e dizem:
- Oh! J no chegmos a tempo…
E a Margarida pergunta:
- Quem so vocs? To gordinhas e engraadas.
- No nos conheces? Disse uma das bandas. Ns somos as irms sonoras, e se tivssemos chegado mais cedo, o carro no te tinha atropelado.
- No me tinha atropelado?! Interrogou Margarida. Mas como, se ele vinha to depressa?
Uma das bandas disse:
– que a nossa funo fazer com que os carros percam um bocadinho de velocidade,
quando passam por cima de ns e param se estiver algum em cima da nossa colega passadeira.

TRIIIIIM!…
Ao ouvir o trim do despertador, Margarida acordou e viu que tudo no passou de um sonho.
Arranjou-se e foi para a escola.
Quando estava a chegar escola cumprimentou o sinal de aproximao de escola e ia dizer ol passadeira quando reparou que antes desta estavam trs barras gordinhas que lhe disseram ol.
Margarida muito admirada disse:
- Vocs?!… Mas… Mas… mas no foi um sonho?
E uma das bandas sonoras explicou:
- Sim, Margarida. Tu ontem sonhas-te connosco e como ningum aqui nos coloca, samos do teu sonho e tomamos a liberdade de vir para a vida real para garantir a segurana dos meninos desta escola.
Margarida preparou-se para atravessar a passadeira, quando viu novamente o carro do seu sonho que desta vez, parou a tempo e piscou-lhe um farol. Margarida, sorridente e segura, atravessou a estrada e foi para a escola.

Preveno Rodoviria Portuguesa