Educao de Infancia

Pais


Tenham um excelente incio de ano lectivo

Set 23, 2009 Autora: Raquel Martins | Colocado em: Pais

S para Pais (com filhos no jardim de Infncia)

1. “Proibido insultar o jardim-de-infncia chamando-lhe “escolinha”. Em primeiro lugar, porque uma escola. Em segundo, porque todas as escolas ganhavam se ligassem Brincar com aprender.

2. proibido que os pais imaginem que o jardim-de-infncia serve para aprender a ler e contar. Ele til para aprender a descobrir os sentimentos. Para aprender a imaginar e a fantasiar. Para aprender com o corpo, com a msica e com a pintura. E para brincar. Uma criana que no brinque deve preocupar mais os pais do que se ela fizer uma ou outra birra, pela manh ao chegar.

3. O jardim-de-infncia assusta as crianas sempre que os pais como quem sossega nelas os medos deles por mais um dia de jardim-de-infncia – lhes repetem: ” Hoje vai correr tudo bem!”

4. Os pais esto proibidos de despedir-se muitas vezes das crianas, ao chegarem todos os dias. E bom que se decidam: ou ficam contentes por elas correrem para os amigos ou ficam contentes por elas se agarrarem ao pescoo deles, com se estivessem prestes a ser abandonadas para sempre.

5. proibido que as crianas vo dia-sim dia-no ao jardim-de-infncia. E que vo, simplesmente, quando os seus caprichos infantis vo de frias. E que no vo ” s porque sim”. O jardim-de-infncia no um trabalho para os mais pequenos. uma bela oportunidade para os pais no se esquecerem que se pode amar o conhecimento, namorar com a vida, nunca ser feliz sozinho e brincar, ao mesmo tempo.

6. No jardim-de-infncia no obrigatrio comer at ltima colher; nem dormir todos os dias. E no nada mau que uma criana se baralhe e chame pai/me ao educador/a (ou vice-versa).

7. Os pais esto obrigados a estar a horas quando se trata duma criana regressar a casa. Prometer e faltar devia dar direito a que os pais fossem sujeitos classificados como tendo necessidades educativas especiais.

8. Os pais no podem exigir aos filhos relatrios de cada dia de jardim-de-infncia. Mas esto autorizados a ficar preocupados se as crianas forem ficando mais resmungonas, mais tristonhas ou, at, mais aflitas, sempre que regressam de l. E esto, ainda, autorizados a proibir que o jardim-de-infncia s se abra para eles durante as festas.

9. O jardim-de-infncia uma escola de pais. E um lugar onde os educadores so educados pelas crianas. Um lugar onde todos se educam uns aos outros no uma escola como as outras. um jardim-de-infncia.

10. Um dia, num mundo mais amigo das crianas, todas as escolas sero jardins-de-infncia!”

Eduardo S

dia das bruxas

Os Brinquedos na Educao Pr-Escolar

Set 20, 2009 Autora: Raquel Martins | Colocado em: As nossas leituras, Educao de Infncia, Pais

A criana precisa de inovar e de criar. No necessrio ter muitos brinquedos ao mesmo tempo. Ela pode mudar de um para o outro, insatisfeita diante de uma escolha to grande.

A maneira de normal das crianas aprenderem a brincar. Para elas, brincar e aprender no so actividades antagnicas, por isso, beneficiam se lhes forem proporcionadas situaes de aprendizagem divertidas.

Uma criana muito pequena precisa de brinquedos que estimulem os cinco sentidos, os adequados para um beb com menos de um ano so aqueles que lhes proporcionam a experincia de cores, texturas, materiais e formas interessantes e variadas. Os que fazem barulho e reagem a aces, como os guizos, do-lhe uma sensao de controlo e estimulam o desenvolvimento das competncias de manipulao e de coordenao.

O beb tem necessidade de conhecer e sentir a conscincia dos materiais, a forma e as cores diversas. O beb deve ter muito tempo para essas exploraes. Uma das formas de estimular o desenvolvimento do beb criar as condies para brincadeiras criativas num ambiente estimulante.
O melhor brinquedo para uma criana aquele que a fascina eternamente e ao qual ela volta sempre, porque lhe oferece cada vez mais estimulo e divertimento. E quanto menos elaborado e mais bsico for o brinquedo, mais possibilidades oferece imaginao da criana.

importante no ignorar que medida que os bebs se desenvolvem, necessitam de estmulos diferentes e a escolha de brinquedos deve reflectir essas diferentes necessidades.

Fonte: Programao e planificao na creche 0-1 ano: Bola de Neve

Estimular o Beb dos 0 ao 1 ms

Jun 19, 2009 Autora: Raquel Martins | Colocado em: Berario, O nosso cantinho, Pais

Fale-lhe e d uma massagem ao beb enquanto o limpa;


Quando o beb estiver despido, permita-lhe mover livremente as pernas e os braos;

Coloque um dedo na mozinha do beb para que o aperte, e se o fizer, erga a mo para que faa fora;

Segure-lhe nos braos com suavidade e movimente-lhos para cima e para baixo;
Com o beb deitado de costas, agarre nas suas mozinhas e puxe at sent-lo;
Coloque o beb de barriga para baixo, e empurre com a mo um pezinho para a frente;
Enquanto o no alimenta, coloque o mamilo ou a chupeta na boca do beb para que aprenda a chuchar;
Aproveite o momento da alimentao para fazer-lhe carinhos: tocar-lhe nos bracinhos, nas mozinhas e nos dedinhos um por um, cantar-lhe, repetir-lhe sons;
Deite-o em posies diferentes;
Cuide do seu sono, mas procurando que se habitue a dormir com os rudos habituais, assim como a estar com outras pessoas;
Movimente a chupeta na sua boca para que exercite o movimento de chuchar;
Mostre-lhe um objeto de cores vivas e mova-o lentamente para que o siga com o olhar;
Coloque um mbile no bero;
Embale-o suavemente e pegue-o ao colo do lado esquerdo e do direito.

Bolo de Infncia

Jun 1, 2009 Autora: Raquel Martins | Colocado em: As nossas leituras, Educao de Infncia, O nosso cantinho, Pais

Ingredientes:

  • litros de espontaniedade e doura.
  • muita vontade de brincar.
  • milhares de fantasias para imaginar.
  • sorrisos de ternura: sem medida.
  • 12 kg de curiosidade.
  • gotinhas de inocncia de baunilha: a gosto.

Preparao:

  • Aos ingredientes anteriores juntar os olhares de dois olhinhos cheios de diabruras e algumas lagriminhas.
  • Deixar repousar a mistura sobre mos pequeninas tanto quanto for preciso.
  • Decorar com 1 kg de peripcias s cores, doces comentrios e um monto de beijos gulosos.

Tempo de cozedura: varia segunda a maturao

Sugesto: no comer logo de seguida. Dar tempo para saborear.

Este miminho foi partilhado pela colega Liliana Serrano. Muito obrigada Liliana.

Pode ser usado no Dia Mundial da Criana.

O que so Maus Tratos?

Mai 22, 2009 Autora: Raquel Martins | Colocado em: O nosso cantinho, Pais, Psicologia Infantil, Sade Infantil

Qualquer ser vivo necessita de condies mnimas para existir: as plantas necessitam de terra, de gua, de luz, de ar, de humidade; as diferentes espcies animais precisam de condies especficas para poderem sobreviver. Por exemplo, os peixes precisam de gua, os pinguins de gelo e os rpteis de muito sol. Contudo, a qualidade da existncia das espcies depende da qualidade dessas mesmas condies. Por exemplo, peixes que vivem em guas poludas podero no sobreviver.

Tambm o ser humano necessita de condies mnimas para a sua sobrevivncia. Pelo facto de o ser humano ser mais complexo, so mais complexas tambm as condies necessrias para o seu desenvolvimento normal. Precisa de condies mnimas ao nvel da sobrevivncia fsica, emocional e social.

Em todas as espcies, cabe aos mais velhos proporcionar condies de desenvolvimento aos mais novos (alimentos, segurana fsica), garantindo, assim, a sobrevivncia da espcie. Ora, os mais velhos desenvolvem um conjunto de tratos, de formas de tratar os mais novos, e espera-se que esses tratos favoream as condies essenciais ao seu desenvolvimento fsico, motor, intelectual, emocional e social.

O conceito de Maus-Tratos diz respeito, precisamente, a uma forma desajustada de tratar os indivduos. Todos os indivduos tm direito a ser bem tratados, da que seja um dever de todos dar bons-tratos s pessoas com quem se relacionam, assim como tambm estar atentos, para identificarem eventuais maus-tratos de que algumas pessoas possam ser vtimas.

O conceito de abuso diz respeito queles comportamentos, queles tratos que os adultos mantm com as crianas, mas que no so adequados, por serem abusivos em relao quilo a que a criana tem direito.

O conceito de abuso parte do princpio que os indivduos tm direitos e deveres e os pressupostos da psicologia social, nomeadamente dos mecanismos de presso e de influncia social.

As relaes sociais so pautadas por negociaes entre as pessoas, pelas influncias que umas exercem sobre as outras, por actos e comportamentos em que, muitas vezes, as pessoas usam o seu poder (poder econmico, hierrquico, fsico, etc.)

Para regular as relaes entre as pessoas, as sociedades estabelecem regras e limites para a actuao de um indivduo sobre os outros. Por outras palavras, a sociedade atribui a cada indivduo determinados direitos que devem ser respeitados pelos outros indivduos. A noo de abuso corresponde, precisamente, a actos/comportamentos prejudiciais a outrem que determinado indivduo comete na relao como o outro, ao modo como o primeiro indivduo faz uso dos seus direitos e poderes, resultando no desrespeito pelos direitos do outro indivduo.

Assim, tratar bem um indivduo implica respeitar os seus direitos, isto , no abusar dos seus direitos. Abusar dos direitos de um indivduo consiste em NO o tratar bem, ou seja, trat-lo mal, logo, praticar um mau-trato.

Os maus-tratos, ou seja, as variaes de formas em que se pode no tratar bem um indivduo dito de outro modo, em que se pode tratar mal um indivduo -, incluem os abusos aos direitos desses mesmos indivduos.

Vamos ajudar a Marta

Abr 22, 2009 Autora: Educadora de Infncia | Colocado em: Pais, Psicologia Infantil, Sade Infantil

A Marta tem quatro anos de idade e uma criana adorvel. Em Fevereiro deste ano, descobriram que a Marta sofre de leucemia. Apesar de to nova, j foi sujeita a vrios tratamentos de quimioterapia. necessrio agora um transplante de medula ssea para continuar a manter o seu lindo sorriso.

Tanto os pais como as irms da Marta, uma mais velha e outra mais nova que tem apenas 15 dias, no so dadores compatveis.

Por isso juntamos-nos luta da famlia da Marta e pedimos a todos que se tornem dadores afim de tentar encontrar algum que a possa ajudar.

J est criada uma conta no Facebook com o nome ‘Ajudar a Marta‘ – que ao fim de cinco dias conta j com quase cinco mil pessoas associadas causa.

Deixa-mos aqui o apelo dos pais da Marta:

A Marta a nossa filha do meio. Tem 4 anos e em 22 de Janeiro foi-lhe diagnosticada uma Leucemia Mioloblstica Aguda.

Este tipo de Leucemia, por ter grandes probabilidades de reincidir, aconselha o transplante de Medula. Como estvamos “grvidos” depositmos grandes esperanas no sangue do cordo umbilical para transplante. Infelizmente os resultados foram negativos e, neste momento, a Marta no tem ningum compatvel na famlia.

Nesse sentido fazemos um apelo a que se tornem dadores.

Para ser dador, apenas tem de preencher um formulrio e enviar pelo correio ou em alternativa passar pelo Hospital Pulido Valente ou num destes locais de recolha a nvel nacional, entregar o impresso e fazer na hora uma analise de sangue ou anda ir ter aos vrios pontos de recolha mveis.

Este tipo de doao no comporta qualquer risco para o dador, to somente uma colheita de sangue.

Para mais informaes sobre este tipo de doao visite os seguintes sites: site www.chsul.pt ou http://www.chnorte.min-saude.pt.

Vamos ajudar a Marta, preenchendo o formulrio e passando a palavra, enviem esta mensagem por e-mail, coloquem nos vossos blogs, passem atravs do Twitter ou qualquer outra forma, quanto maior for o universo maior a probabilidade de conseguirmos ajudar a Marta!

As crianas precisam que os pais…

Abr 12, 2009 Autora: Raquel Martins | Colocado em: Adaptao, Pais
  • respeitem os seus medos e ansiedades;
  • encoragem o novo vnculo que comeam a estabelecer;
  • cumpram o horrio de entrada e sada;
  • mandem para o Jardim de Infncia o material que os Educadores pedem;
  • assistam s reunies e eventos escolares;
  • se interessem pelas actividades dirias…sem as forarem a contar o que fizeram;
  • arranjem um tempinho para conversar com elas;
  • as tornem responsveis pelas suas coisas.
  • …no as levem e as “larguem”.

As crianas precisam que os seus pais as acompanhem!


Archives


Links


Meta

Advertising


Comentários Recentes