Morder…

Uma coisa muito comum nas Creches mas que costuma provocar muita preocupao nos pais so as mordidelas. Principalmente no perodo de adaptao, em que, alm da maioria das crianas estar a viver a sua primeira experincia social extra-familiar, os grupos esto em fase de formao, de primeiras impresses, ou em situaes de entrada de crianas novas para a sala, as mordidas quase sempre fazem parte da rotina diria das crianas. No fcil lidar com esta situao, tanto para os pais ( muito doloroso receber o filho com marcas de mordida!) , quanto para ns, Educadores (que nos sentimos impotentes, na maioria das vezes, sem conseguir impedir que elas aconteam).

importante pensarmos sobre este tema; Por que que as crianas pequenas se mordem umas s outras e s vezes at a si mesmas? Expresso de agressividade? Violncia? Stress? Sentimento de abandono?

As crianas pequenas geralmente mordem para conhecer. Para elas, tudo o que as cerca objecto de interesse e alvo de curiosidade, inclusive as sensaes. O conceito de dor, por exemplo, algo que vai sendo construdo a partir das suas vivncias pessoais e principalmente sociais, e no algo dado priori.

Mordendo o outro, a criana experimenta e investiga elementos fsicos, como a sua textura (as pessoas so duras? So moles? Rasgam? Partem?), a sua consistncia, o seu gosto, o seu cheiro; elementos sexuais (no sentido mais amplo da palavra), na medida em que morder proporciona alvio para as suas necessidades orais (nelas, a libido est basicamente colocada na boca) e ainda investiga elementos de ordem social, isto , que efeitos esta aco provoca no meio (o choro, o medo ou qualquer outra reaco do amiguinho, a reprovao do Educador, etc).

claro que, vencida esta primeira etapa de investigao, algumas crianas podem persistir em morder, seja para confirmar as suas descobertas ou para testar o meio ambiente (disputa de poder, questionamentos de autoridade, etc). Ou ainda, pode ser uma tentativa de defesa: ela facilmente descobre que morder uma atitude drstica. Raramente a mordida um acto de agressividade, e muito menos de violncia, a no ser que estejam a viver alguma situao de intenso stress emocional em que todos os demais recursos estejam esgotados.

Com o passar do tempo de trabalho em grupo, o Educador tem a possibilidade de planear as suas aces e estratgias no sentido de fazer com que as crianas possam reflectir, sobre esta questo.

Artigo da Psicopedagoga Claudia Sousa