Vem a a Prima Vera

Carolina fica intrigada quando recebe a carta de uma Prima que no conhece. Quando a vai esperar estao v-se rodeada por outros meninos que, ansiosos, tambm aguardam a anunciada visita.

Finalmente chega estao uma menina carregada de presentes: joaninhas, flores, sol, andorinhas

Quem ser afinal esta Prima to especial?

Era uma vez uma menina chamada Carolina a quem o carteiro, numa bela manh, entregou uma carta.

Carolina, depois de abrir o envelope, ficou muito surpreendida ao ler o que na carta estava escrito:

Chego no dia 21 de Maro. Estao nova. Tua Prima.

Voltou a ler a carta, outra vez e ainda outra, sem nada entender: – Quem ser esta prima que eu no conheo? Bem, s faltam trs dias para saber.

Trs dias? Tanto tempo para uma menina cheia de curiosidade. Por isso, Carolina no sossegou e, na vspera do importante dia, demorou a adormecer.

O dia 21 de Maro amanheceu envolvido por um sol radioso. A menina levantou-se cedo e, vestida com uma roupa de festa como algum que espera visitas, saiu de casa. Apertando numa das mos a carta, dirigiu-se, sem demoras, estao dos comboios (que era nova porque tinha sido construda h pouco tempo).

Ao chegar viu um grupo de entusiasmados meninos. Aproximou-se e percebeu que alguns seguravam um envelope. Resolveu ento perguntar-lhes o que faziam ali.

Os meninos contaram que cada um tinha recebido uma carta que dizia:

Chego no dia 21 de Maro. Estao nova. Tua Prima.

Carolina mostrou-lhes a sua carta que dizia exactamente o mesmo.

Tudo parecia estranho.

Resolveram esperar. Viram passar um comboio, depois outro e ainda outro Finalmente aproximou-se da estao, em marcha lenta, um comboio que acabou por parar.

Dele saiu uma bonita menina com um vestido coberto de flores: malmequeres, papoilas, tulipas, lrios No seu chapu, amarelo como o sol, esvoaavam andorinhas e pardais; os seus sapatos eram verdes como a erva dos campos.

Carregada de malas, dirigiu-se aos meninos:

– Fui eu que vos escrevi. Estou muito feliz por me terem vindo esperar. Sou a vossa Prima.

– Nossa Prima? perguntaram os meninos de olhos arregalados.

– Como te chamas? apressou-se a perguntar, Carolina.

– Ah! Ainda no descobriram? Eu sou a Vera. Sou a vossa Prima e de todos os meninos do mundo. Costumo chegar aqui neste dia. Sou a PRIMA VERA!

Que surpresa to grande! Os meninos ficaram radiantes.

Feitas as apresentaes, a Prima Vera comeou a abrir suas malas para mostrar os presentes que trouxera: SOL, ANDORINHAS, FOLHAS VERDES, FLORES, BORBOLETAS, JOANINHAS e muita, muita ALEGRIA.

Agradecendo a presena de todos, a Prima explicou que iria, de seguida, ao encontro de outros meninos.

Mas voltaria para o ano. Palavra de Prima Vera!

Antes de partir, pediu ainda aos meninos que anunciassem a sua chegada a todas as pessoas.

Eles assim fizeram. Correram at suas casas, sorridentes e ansiosos por contar aos pais, irmos, avs, amigos e vizinhos que era um dia muito especial: tinha chegado a PRIMAVERA!

CUSTDIO, Lourdes (2002). Vem a a Prima Vera. Vila Nova de Gaia: Gailivro.