Quando se pretende explicar a mentira aos educadores, estes demonstram uma enorme resistncia intelectual em aceitar a complexidade da compreenso psicolgica da mentira na criana.

Segundo Broyer (1975) acima mencionado, compreender e tentar encontrar quais as razes que levam a criana a mentir, considerado por muitos adultos uma perda de tempo, porque acham que h crianas mentirosas, assim como as h francas e gentis. Para alguns adultos o facto da criana mentir deve-se existncia de uma malformao psquica que a impede de ser como os outros e de dizer a “verdade”, assim se explica o facto de muitos ficarem aterrorizados quando se apercebem que o seu filho .

A maior parte das vezes como se sente culpados pelo comportamento dos seus filhos, faro avaliaes depreciativas sobre si prprias e sobre a educao que deram s suas crianas.
As reaces dos adultos, podem apresentar os seguintes tipos:

Lastimar-se aos outros e a si prprio, pelo facto de ter que lidar com uma criana “desequilibrada”.
“Desligar-se” afectivamente do mentiroso;
“Arregaar as mangas” e voltar aos bons e velhos princpios educativos, que tal como diziam os mais velhos sempre foram eficazes, no tempo em que a psicologia no perturbava as mentes com os seus complexos e recalcamentos: recorre-se ento, s sanes corporais, ao aoite e tareia;
“redobrar de ateno” com esta criana, que muitas vezes fica catalogada como sendo incapaz de perceber a “verdade” e que ter muita necessidade de ter ao seu lado uns pais capazes de a ajudar a ultrapassar este grande, ou talvez, pequeno problema.